Skip to content

A tradução como gesto textual

outubro 9, 2009

jerome

De vez em quando alguém me pergunta, na faculdade, porque eu faço curso de tradução (há milênios, inclusive, mas o fim se aproxima). Quando estou de bom humor, respondo a verdade: sou uma daquelas pessoas que queria ser tradutora quando crescesse.

Desde que comecei, aos 17, a traduzir uns poemas e sonhar em ser “Irmãos Campos-Rimbaud-John Lennon” da contemporaneidade (sempre megalômana), mudei muito a forma de pensar sobre o ofício. Lembro com saudade da disciplina de Linguística e Tradução do querido Prof. Pedro Garcez, que na época explodiu minha cabeça com um mundaréu de não-obviedades inestimáveis que me obrigavam a rever o ideal. Hoje, muitos anos e milhões de palavras depois, cheguei ao que eu considero ser minha teoria da tradução, e gostaria de compartilhá-la com vocês.

Em primeiro lugar, quando falo de tradução estou falando de maneira geral, não me referindo somente à tradução literária, como é comum nessas conversas de “alto nível” sobre o assunto. O processo de traduzir um poema e um contrato tem muito mais em comum do que pensamos, embora os riscos e pormenores sejam imensamente diferentes. Enfim, vamos lá.

thedabaraMinha tese é a de que o ofício do tradutor é muito semelhante ao ofício do ator. O tradutor é um ator do texto. Ator é o agente, o cara que atua, que desempenha uma ação.

O ofício do ator sempre me pareceu fascinante, e me parece que o é para a maioria das pessoas. Atores e atrizes povoam nosso imaginário, de Theda Bara a Kate Winslet, de Rodolfo Valentino a Adrian Brody. E apesar de estar em desuso, engolido cada vez mais pela velha onda de empregar modelos ao invés de atores em produções dramáticas, o ofício do ator está longe da extinção. Há grandes atores, ainda. O mundo precisa deles, mesmo que sejam feios. Mesmo que estejam velhos e se recusem a usar botox (apesar de que a Fernanda Montenegro sucumbiu).

hamlet-48A diferença entre um ator “bom” e um ator “ruim” (os modelos de que já falei) é que o ator ruim finge fazer algo, enquanto o ator bom torna-se esse algo. E isso não acontece por talento. O cara pesquisa, estuda, se prepara, e encontra algo dentro da sua experiência de mundo que abre a porta para que ele se torne aquela coisa. Não importando o “método” do ator, para a catarse do público, para que seja eficaz a empreitada dramática, não basta ser convincente, tem que ser NATURAL. Quando o espectador vê o gesto do ator como verdadeiro, o objetivo foi atingido, e a platéia fica contente, satisfeita e certa de que seu dinheiro (ou tempo) foi bem investido.

Pois bem, a tradução funciona com um processo muito semelhante, ao meu ver, mas ao invés do gesto físico, do som físico, da presença física, nosso ofício se esconde na imaterialidade da página escrita em uma tela. O texto de partida é o material de estudo, as referências, a observação. No último ano, tive o prazer de trabalhar com uma grande profissional da escrita, minha querida chefinha, a Claudia Buchweitz (que coincidentemente é casada com o professor que explodiu meu cérebro lá nos idos de 2004), e observar o método de trabalho dela me deu uma nova perspectiva sobre o que é “fazer um bom trabalho” em tradução. Da forma como o vejo, o ofício do tradutor depende de sua capacidade de ver e pesquisar além das palavras do texto, encontrar em sua visão de mundo um espaço para toda essa carga de informação e produzir com segurança (uma segurança embasada por muita pesquisa e preparo, como os bons atores) um texto natural, verdadeiro. O tradutor-modelo finge o gesto para se fazer passar por algo que não é, enquanto o tradutor-ator, ciente do seu ofício, torna-se algo que não é, ainda que pela duração do trabalho.

skeleton_at_a_computerNão estou tentando sugerir que toda tradução é um trabalho criativo. Pelo contrário, minha proposta é bem mais simples. Acredito apenas que, para produzir um texto natural, para saber onde está “faltando uma conjunção”, onde é necessário dividir uma frase, ou inserir uma explicação, é necessário colocar-se na pele de autor. Saber o suficiente sobre o assunto para entender qual é o gesto textual necessário para que o texto cumpra seu objetivo (que no caso da literatura é catarse, mas no caso de um contrato pode ser, simplesmente, expressar a melhor imagem do cliente). Em termos mais técnicos, isso tudo pode ser destrinchado, claro: gênero, sintaxe, registro, terminologia. Mas o processo intuitivo é também essencial na trajetória das pesquisas e nos caminhos lógicos que levam às escolhas. A naturalidade não pode ser ensinada através de polígrafo, seu entendimento real se dá na interação com cada texto.

Pretendo qualquer hora dessas ter tempo para elaborar mais sobre o assunto, mas por enquanto chega. Talvez caiba agradecer aos meus mentores profissionais e colegas pela oportunidade de estar fazendo o que eu queria fazer quando crescesse. E já que estamos nessa onda de thanksgiving, agradeço também à consciência aleatória do caos, que me permitiu conhecer e trabalhar com as pessoas brilhantes que me acompanham nessa brincadeira.

UPDATE: A Carol Alfaro já tinha divagado sobre o assunto, em 2006. E o grande Danilo Nogueira tocou na ferida ainda em 2008. Pensamentos flanam.🙂

4 Comentários leave one →
  1. tati permalink
    outubro 9, 2009 10:54 pm

    ei, gosto taaanto disso. Muuuuuuuuuuuitas conversas pra bambolear.

  2. tati permalink
    outubro 9, 2009 11:00 pm

    e esses esqueletos são adoráveis.

  3. outubro 15, 2009 1:39 pm

    Oi Mariana,
    Vim aqui ler o texto, conhecer o blog e adorei. Redondinho, claro, do jeito que quem lê gosta.
    Já fiz correr a voz pra uma amiga, tradutora e atriz, que com certeza vai gostar.
    Congrats!

  4. Letícia Loder permalink
    outubro 16, 2009 2:09 pm

    Bem legal o paralelo entre o ator e o tradutor! Faz pensar muito! Fora que, concordando com a Andreia Moroni, o texto está pra lá de redondinho, ótimo de ler.
    E viva a naturalidade!
    Congrats tb

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: